Estudiosos desvendaram o mecanismo causador da síndrome de Pitt-Hopkins, que tem características de transtorno do espectro autista (TEA), e conseguiram reverter a sua evolução em modelos de laboratório, abrindo novas possibilidades de tratamento. O grupo de cientistas responsável pela pesquisa é liderado por brasileiros da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e da Universidade da Califórnia San Diego, nos Estados Unidos.

O trabalho é apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e foi publicado nesta segunda-feira (2) na revista Nature Communications.

Conforme a FAPESP, os cientistas testaram maneiras de interferir na evolução do quadro e conseguiram reverter os efeitos causados pela mutação. O sucesso obtido nos experimentos abre caminho para o desenvolvimento tanto de medicamentos como de uma terapia gênica.

BN

Comentários

Comentários